COLUNA DO JORGE DIAS

14 ª   coluna

Jorge Dias

TERMINOLOGIA  USADA NO ESPORTE DA SINUCA

No esporte da sinuca foram criados termos técnicos e termos populares que são mencionados durante partidas realizadas em Clubes. No Clube Monte Líbano, por exemplo, nas partidas que são realizadas sem nenhum compromisso, chamadas de "rodízio de duplas ", os quatro parceiros envolvidos na partida têm ampla liberdade para dar palpites, não só nas tacadas do parceiro, como também nas dos adversários. Os elogios para boas tacadas fazem parte do cotidiano. É muito comum, após uma tacada, ouvir-se : olha  a " white". Todos que participam do "rodízio" já estão acostumados com isso, e sabem, perfeitamente que  quem fala assim quer se auto elogiar pela brilhante tacada que fez, escondendo a BRANCA atrás do sete, ou  fazendo com que ela vá parar bem coladinha na tabela, dificultando a tacada do adversário. Uma frase que meu Amigo Lincoln ( o maior jogador de sinuca do Brasil de todos os tempos - Lincoln Soares Pinto ) dizia sempre e que nós gostamos de usar, é aquela que diz : " tem parceirinho que GOSTA de jogar com a BRANCA colada. Ocorre com muita frequência na manjadíssima tacada de matar a bola cinco no meio, quando é necessário dar um pequeno "talho". De um modo geral a BRANCA depois de tocar a cinco vai a tabela e quando volta vem junto à tabela, e ali fica "colada". Logicamente, quem já deu essa tacada inumeras vezes tem o cuidado de evitar que a BRANCA fique colada, mas, uma fração de segundo sem concentração,  e consequentemente uma distração, lá estará a BRANCA "colada" na tabela. Nessa posição : BRANCA, cinco e uma das duas caçapas do meio, como já vimos, há, basicamente, quatro tacadas diferentes para evitar que a BRANCA fique  "colada" na tabela. Com essa outra maneira de os jogadores se comportarem que a seguir vou contar fica patente  que quando nos reunimos para jogar sinuca objetivamos, logicamente praticar o esporte da sinuca, mas muito mais que isso  é a gozação que existe entre nós e que nos faz rir durante todo o tempo. A reação de todos, os quatro que estão participando, os três que estão aguardando novo sorteio ( o "rodízio" é com sete no máximo )e mais os que estão simplesmente assistindo, é assobiar como se tivesse chamando um cachorrinho, quando se quer transmitir para o jogador que vai dar a tacada que ele deve dar um " totó ". Com essa observação o que se deseja é que o jogador não dê uma tacada para "se abrir", defenda, " é só chegar ". É a tacada não violenta, bem suave, que a força seja a suficiente para "chegar " na bola-alvo, ficando, de um modo geral, as duas "coladas " na tabela. Quando você ouve alguém gritar: " boa bola MICRIBA ", pensa logo que o jogador fez uma boa jogada, mas as vezes, e na maioria delas, é para gozar e criticar a tacada realizada. A tacada MICRIBA ficou conhecida como aquela  que se dá pretendendo defender, deixando a BRANCA, no topo ou na base da mesa, " colada " ou quase " colada ", mas na realidade você deixou a bola-alvo fácil de matar. " Deixou" a bola na "boca", fácil, portanto de matar e não defendeu nada. É a bola MICRIBA. Um dos termos  que os praticantes do esporte da sinuca consagraram no decorrer dos anos é o chamado "cavalinho", também conhecido como "Luiz XV", ou "salto alto", ou ainda "trepa Antonio", pois a bola de jogo, a BRANCA, está bem próxima da bola-alvo, exigindo do jogador o levantamento do corpo para dar a tacada corretamente, como se estvesse de "salto alto". A tacada, nessas condições é muito dificil de ser executada, e se as duas bolas estiverem "coladas" o grau de dificuldade aumenta muito mais, com o risco de , no mínimo, se perder pontos se a tacada sair errada, não dando em bola, ou "espirrando", ou ainda, atingindo uma outra bola que não seja a bola-alvo pretendida, ou o pior de tudo, perder a partida, se deixar as outras bolas boas para fechar a partida.

Até a próxima...

E-mail : jorgedias@domain.com.br - jorgedias_649@msn.com

site: http://www.jorge.dias.nom.br

Site da FSBERJ: http://www.riosinuca.com.br

Site SPORTmania: http://www.sportmania.com.br/

Jorge Dias

Fechar a Janela